VEJA NOSSAS OBRAS



Veja aqui nossas obras selecionadas
por Estados brasileiros

 


Login
Usuário ou Email

Senha




Cadastre-se!
   

Visitantes
  
Usuários Online:
Membros:
0
Anônimos: 5
  


  

Técnicas

 

Clique para ampliar a imagem      As técnicas empregadas para a fabricação de um vitral são as combinações de: vidro e chumbo; vidro e latão; vidro e fita de cobre (Tiffany) e fusing. Para confeccionar cada tipo de vitral são utilizados materiais e ferramentas diferentes. Contudo, todas as técnicas passam por estágios básicos e comuns: o projeto e a preparação do vidro.

 

Projeto

Clique para ampliar a imagem     Antes de ser iniciada a confecção de um vitral é feito um desenho da peça desejada, normalmente executado em tinta guache para representar a translucidez dos vitrais. O tema, as proporções e as combinações de cores são pré-estudados nestes modelos em escala reduzida.

 


Desenho

Clique para ampliar a imagem     O desenho é feito em escala real a partir do projeto. Apresenta as exatas dimensões do vitral projetado, definindo as áreas e formatos que serão ocupados pelo vidro e pela trama de chumbo, cobre ou latão que unirá cada pedaço. Executado em papel, o desenho já é uma verdadeira obra de arte que oferece um protótipo fiel de como ficará a peça pronta.

 


Cartão de Corte

Clique para ampliar a imagem     O cartão de corte tem a função de um gabarito que serve para o corte preciso dos vidros que irão compor o vitral. Como um quebra-cabeça, cada pedaço de vidro recebe uma numeração, para facilitar a montagem do projeto final. Nesta fase do processo são definidas as espessuras intersticiais para a inserção dos filetes de chumbo ou outro material de junção dos vidros.

 

Corte

Clique para ampliar a imagem     Nos tempos medievais o artesão usava uma haste fina e incandescente para partir o vidro na proporção desejada. Por volta do século 16, uma haste com ponta de diamante foi introduzida no processo, aperfeiçoando a técnica de corte. Atualmente, utilizam-se roletes de liga de diamante com alta rigidez que permitem incisões de formatos complexos e acurados.

     Monta-se, então, o quebra-cabeça do vitral sobre uma ampla folha de vidro transparente. Valendo-se do cartão de corte, o vitralista pode montar a peça inteira antes de unir todas as partes, assegurando que a cor, os tons e o tipo do vidro sigam fielmente o projeto.

Preparo do vidro

Clique para ampliar a imagem     Após o corte, é a hora de acrescentar detalhes especiais nos vidros, se assim se desejar. Objetos, formas e rostos são pintados artisticamente com pincéis e tintas específicos na massa vítrea que, posteriormente, será aquecida entre 600 a 700 graus Celsius em fornos planos, para evitar distorções nos desenhos após o resfriamento das peças.

     Outro tipo de preparo especial pode ser obtido através da corrosão pela adição de ácidos sobre o vidro plaquê, onde uma cor irá se sobrepor à outra.

Técnicas de Estruturação

     Com os vidros decorados e preparados, é hora de unir todas as peças utilizando diferentes técnicas de estruturação: vidro e chumbo, vidro e latão, vidro e fita de cobre (Tiffany), e fusing.


Voltar